Design

#2 – A Regra de ouro – proporção áurea

Olá mais uma vez, antes de mais queria agradecer todo o apoio, comentários e elogios que me fizeram no artigo anterior e hoje vou escrever sobre a Regra de ouro e proporção áurea tal como prometi.

Esta regra de ouro é conhecida por muitos de nós ligados ao design, arquitectura, fotografia, publicidade, escultura, pintura, música… entre outras artes e técnicas.

Você deve de estar a perguntar o porquê da importância desta proporção?
No entanto, posso adiantar-lhe que é uma “regra” base para atingir a perfeição utilizada por antigas civilizações até mesmo antes de Cristo.

Ainda há quem diga que é a proporção divina, a proporção utilizada por Deus para dar forma ao mundo pelo facto de ser descoberta em muitos aspectos. Este número de Ouro é representado pela letra grega (Phi). O número Phi corresponde a 1,618. Segundo a Proporção Áurea é de 1 cm para 1,618 cm, sendo essa a relação de equilíbrio ideal.

RECUANDO NO TEMPO.

Pitágoras entre 570 e 500 a.C. utilizava a proporção áurea para explicar a harmonia entre a alma e o cosmo. Quando ele descobriu que as proporções do pentagrama eram iguais às da proporção áurea, tornou esse símbolo como a representação da Irmandade Pitagórica. Esse era um dos motivos que levava Pitágoras a dizer que “tudo é número”, isto é, que a natureza segue padrões matemáticos, bem como a música e a astrologia, e isto era apenas o início…

Pentagrama Pentagrama Pentagrama

Segundo vários estudos, o homem correu em busca da perfeição, do ideal canónico da beleza e da proporção ideal. Os gregos, segundo as suas regras matemáticas e geométricas criaram assim o rectângulo de ouro. Este rectângulo (pode ver a sua construção) era a “forma perfeita” sob a qual se regiam todos os criadores. Foi aplicado exaustivamente na arquitectura, na escultura e até na música. É verdade, neste rectângulo está presente também o numero Phi. Coincidência?

Grécia

Então saiba ainda que até no Egipto, as piramides foram construidas com pedras ordenadas pelas proporções do numero Phi! Cada pedra era 1,618 menor do que a pedra da fila de baixo e a de baixo era 1,618 maior que a de cima e assim sucessivamente! UHAUUU!!!! As laterais das pirâmides eram também triângulos de ouro e sabe-se que utilizavam essa proporção para a construção de templos e sepulcros para os mortos, pois consideravam que caso isto não acontecesse, o templo poderia não agradar aos Deuses e assim a alma do falecido não conseguiria chegar ao seu destino. E agora entende o pentagrama utilizado actualmente por cima da urna? Que estranho não é?

Egipto

Mas em 1200, Leonardo Fibonacci um matemático que estudava o crescimento das populações de coelhos desenvolveu a mais famosa sequência matemática: a Série de Fibonacci. (1 1 2 3 5 8 13 21 34 55…) e descobre que a média da proporção de crescimento é… 1,618. Os números por vezes variam por defeito ou por excesso, mas a média é sempre 1,618, exatamente a mesma proporção utilizada nas pirâmides do Egipto e no retângulo de ouro dos gregos!!! Coincidência?

Rectângulo de Ouro - espiral logarítmica espiral logarítmica Natureza Natureza

Pois é. Com todas estas coincidências (ou não) os cientistas começam a fazer estudos matemáticos sobre a natureza e obtêm descobertas fantásticas como a espiral logarítmica:

– A proporção de abelhas fêmeas em comparação com abelhas machos numa colméia é de 1,618.
– A proporção que aumenta o tamanho das espirais de um caracol é de 1,618.
– A proporção em que aumenta o diâmetro das espirais sementes de um girassol é de 1,618.
– A proporção em que diminuem as folhas de uma árvore à medida que subimos é de 1,618.
– As estrelas distribuem-se perante um astro principal numa espiral obedecendo à proporção de 1,618.

Há alguns autores que referem que no Egipto já se tinha constatado que o corpo humano tinha por base na sua construção a proporção áurea, mas mais tarde com os estudos de Michelangelo (O Divino) e com a curiosidade de Leonardo Da Vinci que desenvolve o “Homem Vitruviano” esse estudo passa a ser fundamentado. É então usado como referência estética da simetria básica e proporções do corpo humano aplicadas à concepção da beleza humana e relações harmoniosas entre as partes que compõem o nosso corpo. Segundo Da Vinci, no homem perfeito, as dimensões obedecem à proporção áurea. Representa a expressão de um homem com as proporções perfeitas no espaço de figuras geométricas perfeitas. O corpo humano está representado ao mesmo tempo, dentro das duas figuras, sendo o umbigo, o centro gravitacional da figura humana, coincidiria com o centro das duas figuras geométricas. A área total do círculo é idêntica à área total do quadrado e este desenho pode ser considerado um algoritmo matemático para calcular o valor do número irracional phi (aproximadamente 1,618).

Da Vinci Da Vinci

– Medindo a sua altura dividindo pela altura do seu umbigo até o chão; o resultado é 1,618.
– Medindo o seu braço inteiro, dividindo pelo tamanho do seu cotovelo até ao dedo; o resultado é 1,618.
– Meça os seus dedos, e verifique que a falange, falanginha e falangeta inserem-se num rectângulo de ouro e como tal têm a relação de 1,618.
– Meça a sua perna inteira e divida pelo tamanho do seu joelho até o chão. O resultado é 1,618
– A altura do seu crânio dividido pelo tamanho da sua mandíbula até o alto da cabeça dá um resultado de 1,618. etc…etc…etc.

Ora se tudo isto é verdade, porque não desenvolver mais a aplicação da proporção áurea em projectos de design para atingir a perfeição e assim obter um melhor resultado?

Não está a entender como utilizar a proporção áurea nos seus projectos? Então no próximo Post vou tentar mostrar algumas formas onde tudo isto pode ser aplicado! Continue nos seguindo e muito obrigado.

Veja ainda:

 


Clique aqui para comentar ( )