Inspirações

7 Pontos sobre ser um profissional derrotado

Recentemente observei uma discussão sobre vagas de emprego em um grupo do facebook do qual participo. Desde então venho pensando muito sobre o assunto e resolvi escrever.

Mas… para que você entenda melhor, segue abaixo o post feito no grupo, o qual me levou a esta reflexão. Quem escreveu foi o Ian Black, diretor da New Vegas. Apenas copiei e colei o texto dele, leiam tudo, vale a pena.

“há algumas semanas compartilhei uma vaga aqui de CMM (na verdade, duas vagas) e recebi uma centena de mensagens. tirando os tradicionais candidatos que mandam mensagem mesmo não atendendo 10% das coisas que a vaga pede (o que só enriquece minha lista / filtro de gente sem noção), me espanta a quantidade de mensagens genéricas, escritas às pressas, sem nenhum tipo de personalização, como se o que estivesse em questão fosse qualquer coisa menos um trabalho.

dessas centenas de mensagens, apenas umas 3 ou 4 se destacaram. pessoas que realmente leram sobre a vaga do começo ao fim e a partir disso escreveram uma mensagem, com começo meio e fim, com contexto, com informações relevantes e que muitas vezes me fizeram nem querer olhar para o CV (e quando olhava, o CV era impecável, longe das coisas genéricas que eu recebo).

não por acaso, foram as únicas pessoas que me fizeram querer ao menos bater um papo (pq, caso não role a vaga aqui, faço questão de indicar). ainda tenho outros candidatos listados (caso não role com as minhas prioridades), mas acredito valer a pena compartilhar essa dica para quem está na busca por um trampo legal.”

 

Ótima leitura, não? Depois que vi a postagem observei os comentários e eis o resultado da minha inquietação: Uma lista com alguns pontos que podem ajudar você a sair da derrota profissional.

1 – Reclame de tudo. Amiguinhos, parem de xingar muito no Twitter. Sinceramente, o mercado é complicado por si, o que precisamos fazer é lutar por mais respeito, seja por vagas de emprego/ estágio ou qualquer outro “drama” vivido por quem é comunicador. Mas reclamar o tempo todo sem nunca ter parado para ler um livro chega a ser sacanagem. Eu nunca reclamei de não me contratarem, apenas fico indignado quando exigem experiência para ESTÁGIO, sim estágio. Mas de tudo que posso dizer neste ponto, eis o primeiro passo na vida para seguir em frente: deixe de ser o(a) pessimista procrastinador(a) reclamão(ona).

2 – A vaga não é sua, pelo menos ainda não. Sei lá, eu tenho um espírito empreendedor e a todo momento tento me colocar no lugar desses caras, e sinceramente, deve ser surreal os currículos que eles recebem no estilo “nonsense”. Imaginem que para uma vaga de emprego a empresa receba 30 currículos, você acha fácil ver tudo? Eu acredito que se forem bons sim, deve dar gosto, mas caso contrário deve ser de doer as vistas. Vamos a um exemplo: A vaga é para diretor de arte pleno, de repente um ser humano manda o currículo para vaga de Batman. Meu… me ajuda aí. É necessário entender que aquela vaga não é sua, a hora vai chegar, mas não é agora.

3 – Se descubra. Olha, me perdoem a sinceridade aqui, mas o mercado é sinistro e se você não se destacar vai ficar sem job. Não é questão de nascer sabendo ou ter o famoso QI (quem indica), mas apenas ser da área ou não. Pense em possibilidades, afinal, nem todo mundo é bom atendimento ou designer. Tente outras opções, abra sua mente para novas experiências e deixe de lado a preguiça e o conforto. Eu entrei na faculdade pensando em ser um diretor de arte, hoje sou planner. Não saia chutando o balde e mandando currículo para todas vagas possíveis. Eu penso que você deve saber de tudo um pouco, mas tenha foco.

4 – Apenas os fortes sobrevivem. A vida não está fácil, imagina pra quem se diz criativo e não consegue mandar um e-mail digno da vaga em aberto? Personalize, faça uma carta de apresentação, seja claro, seja inteligente, seja melhor que o concorrente. Vamos a real da vida: Ninguém te conhece, não existe papai e mamãe, talvez sua única chance esteja naquele correio eletrônico, então não deixe as chances irem para o spam.

5 – Alguns passos para o sucesso segundo o próprio Ian (também copiei e colei):

“. mandar mensagem apenas em caso que faça realmente sentido. em momentos em que a vaga está bem especifica, isso me poupa um tempo desgraçado. se a pessoa quiser apenas bater um papo para alguma possibilidade futura, só mandar uma mensagem em outra ocasião.

. exemplos práticos dos trabalhos anteriores (trabalhei nesse projeto fazendo isto, isso e aquilo, em detalhes).

. que trabalhos extras já fez (dou valor saber que a pessoa é artista ou tem algum projeto pessoal / voluntário).

. inglês fluente (uma vez que mais da metade dos clientes aqui tem momentos em que a língua é fundamental, além do conteúdo de referencia para estudar).

. Referência: ter nome e contato de quem pode falar do seu trabalho é uma coisa que pouca gente faz (raríssimos) mas que pra mim é um atestado de competência.

. Só coloque características que você consiga pontuar com exemplos: pro atividade, pontualidade, capacidade de aprender, resolução de problemas, relação interpessoal. Só coloque características que você consiga exemplificar com histórias relevantes.

. Trabalhos pessoais relacionados a sua área: um blog, palestras, participações sérias no Entusiastas, coisas assim.”

6 – Aprenda inglês. Peguei aqui um gancho das dicas do Ian. Eu não sou o mito na língua inglesa mas procuro me esforçar. Sabe porque estou reforçando este tópico? Pois algumas pessoas criticaram o cara falando de oportunidades que a vida não dá, inclusive a de aprender inglês. Sinceramente eu concordo que a educação aqui no Brasil não é a melhor, e que nem todo mundo tem grana para estudar inglês, ou até mesmo que a vida não dá oportunidades, etc. Eu não sou milionário, meu pai pôde pagar um curso de inglês, e não, eu nunca fiz curso de inglês. Pronto, falei. Mas, porém, no entanto, contudo… eu corro atrás, busco entender um pouco mais, nem sempre sobra tempo e minha meta para o ano que vem é: continuar os estudos e “destruir” no inglês. Grandes artigos estão em outro idioma, não se acomode, não deixe os problemas da vida te atrapalhar, eu estou aqui para te fazer pensar, incentivar. Para de achar que avida é uma porcaria só porque tem gente que consegue tudo fácil, você não é todo mundo (frases de mãe). Quer uma dica? Comece a aprender inglês por aqui, veja filmes legendados, músicas, enfim, dê um jeito. Emprego não te procura no início da carreira, seja o seu próprio diferencial.

7 – A pessoa certa. Não sei como cada um reagiu a tudo que escrevi, mas neste último tópico quero dar uma dica que é no mínimo um belo clichê, velho e sem graça talvez, porém, para mim é merecedor de uma placa revestida a ouro: “Sonhe mais alto que o concorrente”. O sonhar do qual me refiro não é imaginar como seria se você fosse o dono da agência África, ou até mesmo o desenvolvedor do melhor app e ganhar milhões de “dinheiros” com isso. Sonhar nada mais é que correr atrás, fazer contatos, ir em frente mesmo quando parece que é hora de desistir. Estude, seja competente, honesto, merecedor da vaga. O tempo certo chega, pode demorar, mas pra quem sonha mais que o concorrente, as chances são maiores.

Ah! Acrescento algo a mais neste texto: ame o que faz, se não der dinheiro é porque você não está fazendo direito.

Vida que segue e eu aqui, apenas esperando pra dominar o mundo. E você?

Clique aqui para comentar ( )