Inspirações

A dádiva e bônus

Não quero falar aqui no que se refere ao trabalho. Também não vamos pensar no publicitário “tal” ou naquele “fulano” que é designer. Vamos nos ater apenas ao “tal”, apenas ao “fulano”. Vamos falar sobre mim. Vamos falar sobre você!!!

Hoje em dia nós estamos sendo “treinados” para fazermos tudo cada vez mais rápido e não “desperdiçar” tempo. Afinal de contas, “time is money”.

Ok, não estou dizendo para que seja feito um voto de pobreza. Dinheiro é bom e eu gosto. O problema é: “O que temos feito para ter esse dinheiro?” Talvez você responda: “Eu trabalho”. Legal! Isso é bom! Enobrece! Mas trabalha quanto!? Ops, não vamos falar de trabalho, lembra!? Estamos falando sobre nós…

Quanto tempo faz que você não dorme por TRANQUILAS 8 horas?

Quanto tempo faz que não almoçamos sem preocupação com o trabalho?

Qual foi a ultima vez que (espontaneamente) não ficamos por um dia inteiro sem acessar a internet?

Sim, eu sei, é um absurdo! Afinal de contas, preciso ver se tem mais algum “curtir” no meu ultimo post. E aquele fotógrafo fera vai sortear uma vaga para o próximo workshop dele, não posso vacilar. Além disso, estar atualizado é parte essencial do meu trabalho…

Lembro de uma musica do Raul Seixas em que ele diz que devia estar feliz porque tem o domingo pra ir com a família ao jardim zoológico dar pipoca aos macacos (Ouro de tolo). É… Essa letra de musica foi escrita na época em que domingo ainda era folga. Sim, os tempos mudaram. Aliás, o tempo muda a cada segundo. Mas a opção de mudar de comportamento tem sido nossa.

O que quero dizer é que antes de você ser publicitário, designer, fotógrafa, estilista, jornalista, etc, você é um ser humano.

Vamos fazer uma coisa: ouça agora, com atenção total para a letra, a musica Epitáfio dos Titãs:

Depois dessa musica, acredito que ninguém tenha pique pra terminar essa leitura, mas se você ainda estiver aqui, desconecte-se. Não vá ler um livro (pois sei que corre o risco de você ler algo sobre o seu trabalho).

Nas próximas 2 horas saia do “lugar comum”. Dance! Durma! Vá à floricultura e compre uma rosa para a mulher que você ama! Ou um chocolate para o homem que você ama!

Você não nasceu para ser profissional! Ser “profissa” é um bônus. Você nasceu pra viver! Sim eu sei, é um pleonasmo redundante, mas é uma dádiva! Poucas verdades são tão absolutas quanto essa!

Você nasceu para viver! Por isso, viva!!!

Clique aqui para comentar ( )