destaque
Design

A intimidade de Elvis Presley: Fotografias de Alfred Wertheimer

“Elvis quem?”

Mais de seis décadas depois, com diversão e admiração, o fotógrafo Alfred Wertheimer lembra-se de fazer essa pergunta no início de 1956. Wertheimer tinha 26 anos quando um publicitário da RCA Victor Records entrou em contato com ele, perguntando se ele estava disponível para fotografar um jovem cantor de 21 anos chamado Elvis Presley que estava visitando Nova York  para fazer sua estréia na televisão.

“Eu nunca tinha ouvido falar do homem“, disse Wertheimer . “Ele não tinha um disco de ouro ainda.” Até o final do ano, Elvis era conhecido em todo o mundo e era um milionário em um momento em que um milhão de dólares significava muita coisa.

Fulchino nos estúdios da CBS em Nova York, onde Elvis estava programado para aparecer no Dorsey Brothers Stage Show, apresentou os dois jovens e contou à Elvis que Wertheimer estaria tirando algumas fotos dele. “Elvis essencialmente grunhiu”  Wertheimer relembra, “e nem sequer olhou para mim. Eu pensei comigo mesmo, que está tudo bem, eu sou a mosca na parede. Ele não tem que ser sociável.”

“Ele volta para o hotel, e agora eu sou a sua sombra. Nós nos dávamos bem. Ele era um cara introspectivo e quieto, e eu era um cara introspectivo e quieto. Dois nerds tranquilos convivendo juntos. Andamos até a Broadway, apenas ele e eu. Ele decide que precisa de uma camisa, por isso entramos em uma loja de homens. Ele vê retratos de artistas colados na porta do provador e posso imaginá-lo pensando ‘Um dia eu vou  ficar sozinho na porta’ . Mal sabia ele! “

No hotel, Elvis lê cartas de fãs e finalmente, adormece. “Algumas das cartas de fãs tinham seis ou sete páginas e ele lia cada uma”. Wertheimer adormeceu também, até ser despertado pelo zumbido de um barbeador elétrico.

“Elvis no banheiro fazendo a barba”, diz Wertheimer. “Eu perguntei a ele, não sabendo nada melhor para dizer, se eu poderia entrar e continuar a nossa sessão de fotos.” Incrivelmente, Elvis disse que sim.

“Ele estava penteando o cabelo e se olhando no espelho. Ele está sem camisa. Ele tinha espinhas nas costas e um furúnculo em seu ombro esquerdo e você pensaria que ele estava consciente disso. Mas ele estava totalmente inconsciente. A coisa maravilhosa sobre Elvis, foi que ele permitiu a proximidade. Mais tarde, eu descobri como ele deixava as garotas histéricas. Essas foram as duas qualidades que fizeram dele diferente de outros artistas que conheci. Outros ficam nervosos  ou eles começam a sair. Não Elvis. Ele sempre foi apenas ele mesmo. “

Wertheimer não viu Elvis novamente até junho de 1956, quando ele viajou para Richmond, Virginia, onde Elvis estava se apresentando no teatro Mosque. Lá ele fez duas das maiores fotografias dos bastidores de um cantor que já fez: “The Kiss” e “Grilled Cheese 20 Cents” , que desde então se tornou os retratos  best-seller de sua carreira.

No início de julho, Elvis e Wertheimer estavam de volta a Nova York para as sessões de gravação das clássicas “Hound Dog,” “Don’t be Cruel” e “Anyway You Want Me.”
Após terminado seu trabalho, Wertheimer decidiu ir com Elvis para sua casa em Memphis. “Eu senti que se eu não fosse para o sul para conseguir alguma coisa de sua família, eu realmente não tinha uma história.”

Depois disso, viu o cantor só mais uma vez, em setembro de 1958, quando Elvis estava indo para a Alemanha após seu alistamento no exército.

As fotografias Wertheimer do início da carreira de Elvis permanecem como algumas das fotografias mais íntimas e marcantes já feitas de qualquer grande celebridade.  Suas fotos viraram livros e algumas delas estão expostas no  Mondo Gallery em Madrid e estão à venda por um preço que varia de 1.700 a 4.000 euros.

Nenhum fotógrafo jamais chegaria tão perto de Elvis novamente. Mas porque Presley era, na época, tão inocente e despreocupado como Wertheimer. Essas fotos nos permite conhecer melhor o  homem que queria ser rei.

 

Fontes: El País e Revista Time

Clique aqui para comentar ( )