Publi e MKT

A lista

Imagem: Fotolia

A casa caiu. Agora nossa reputação foi pro chinelo. Isso é o que muitas agências estão – ou pelo menos deveriam estar – preocupadas no momento. Tudo por causa dela, a miserável daquela lista!

Pra quem não ficou antenado, vale esclarecer brevemente: nestas últimas semanas rolou pela internet uma planilha no google docs onde os profissionais de propaganda deveriam deixar seus comentários – positivos e/ou negativos – a respeito das agências nas quais trabalham. O resultado não podia ter sido outro: uma lavação de roupa suja enorme, queimação de filme, gente tentando jogar tudo em baixo dos panos e muita, muita zueira.

Teve gente descendo o pau em agências grandes como Almap, DM9, Africa, Mccann… E pra piorar a situação, a Fundadora e CEO da Bold decidiu se pronunciar escrevendo um texto para a Meio & Mensagem. A repercussão só foi catastrófica.

Não dá pra dizer que o texto não tenha lá suas verdades, afinal muita gente por aí só corre atrás de um salário no fim do mês, se esquecendo de mostrar o mínimo de empenho e interesse na hora de trabalhar. Sei disso pois conheço bastante os dois lados e quando vi a repercussão que o texto deu percebi bem o quanto liderança faz toda a diferença.

O texto do meu chapa em Direção de Arte (e almoços na casa da mortadela), o Gabriel Molina Kiss, resume bem o assunto:

“Seguinte: quando o cara lá de cima é um brother que senta do teu lado e trabalha, usa a voz dele pra defender conceito, sabe que experiência não é motivo pra deixar o respeito de lado, busca resultado junto e se faz presente, a motivação vem do resultado do trabalho de equipe, vem da troca de experiências e constante aprendizado.

Trabalhar “junto com” é uma coisa, trabalhar “para o” é outra. Mano que fica sentado na cadeira de balanço na sombra da árvore esperando a fruta cair não merece empurrãozinho não!”.

Estar no comando de uma equipe é conseguir motivar e inspirar pessoas, saber cobrar sem desanimar ninguém. Esse é o papel de um líder, vestir a camisa de sua equipe e estar ali presente orquestrando a coisa toda.

Quando temos bons lideres, automaticamente acabamos seguindo seu caminho de sucesso. O bom líder não precisa dar ordens, porque é sempre ele quem está na linha de frente dando o exemplo e inspirando diariamente seus funcionários. O bom líder é tipo o Mestre Yoda saca? Você simplesmente quer ser foda que nem ele.

Quando lemos o texto da Gabriela Hunnicutt logo sentimos um certo estranhamento pois realmente não é tão comum chefes se exporem assim publicamente – e chefe é muito diferente de líder. Ainda mais reclamando da falta de empenho de seus funcionários. Isso simplesmente porque acontece o que no fim das contas acabou acontecendo: o caldo entornou e os funcionários – muitos, no caso – criticaram a postura profissional e mesmo pessoal da moça.

Polêmicas à parte, não podemos saber qual das partes ai está com a razão, somente os envolvidos, mas fica explícito, tanto no texto quanto na lista, algumas coisas muito sérias a respeito da área em que atuamos.

Primeiramente vale parafrasear Leonardo Boff e lembrar que todo ponto de vista é a vista de um ponto. Isso significa que muita gente lá não expressa necessariamente a verdade. Criticar, especialmente de forma anônima, uma empresa ou os profissionais que lá trabalham, além de não estar entre as coisas mais éticas do mundo abre margem para que muitos “reclamões” se aproveitem da situação, seja por raivinha ou outros motivos. Mas dá pra ver muita gente séria se pronunciando por lá também (apesar de não ser a melhor maneira/lugar pra isso).

O que entristece mais, enfim, é notar que os estereótipos da área são bem verdadeiros e recorrentes. Agências que exploram seus funcionários, baixos salários, profissionais “estrelinhas popstars” que tratam a todos com arrogância. Acima de tudo, choca mais ver tantos casos de assédio.

Imagem: Fotolia

Imagem: Fotolia

É impressionante ver a enorme quantidade de reclamações a este respeito e teve agência campeã nesse quesito, como o caso da Jüssi. E só estou citando nomes aqui porque creio que a discussão sobre esses temas não pode terminar simplesmente removendo-se a lista da internet, como ocorreu sob ordem de alguém – seja lá quem for – que não teve peito nem criatividade para se reportar ao mercado e dar um parecer sobre as críticas sofridas.

Ambos os lados parecem estar sem razão a meu ver, pois criar listas anônimas só complica mais as coisas. Profissional bom não tem medo de criticar, argumentar, expor. Infelizmente alguns temas só vêm à tona dessa forma, pois são temas delicados.

Gostaria aqui de discorrer sobre o assédio, conforme prometi no meu texto anterior, porém sinto que não posso. Simplesmente porque sou homem e não tenho o direito de falar sobre um tema que não possuo conhecimento de causa.

Fica aqui então o meu convite para que vocês meninas comentem e compartilhem este texto. Que exponham de forma profissional suas historias e incentivem suas amigas a fazerem o mesmo. Só assim poderemos entender mais a fundo esta questão e quem sabe mudar essa triste situação do mercado.

Deixo aberto o espaço também para qualquer agência/profissional que queira se posicionar e mostrar seu lado. Nada de ser anônimo, pois pra isso já existem outros meios rolando ai. Quero ver quem tem peito de trazer a discussão pra um patamar profissional de verdade.

Talvez assim possamos ter um papo mais aberto e honesto, mais transparência num mercado que necessita – e muito – de pessoas éticas e sérias. Não se pode vender credibilidade se não a temos em nosso próprio dia-a-dia. E na real, ficou feio pra muita agência aí.

Clique aqui para comentar ( )