Post DC
Design

Ah, a mulher…

Vejo algumas situações, vez ou outra, em que me pergunto: “O que seria do homem sem a mulher?”.

Às vezes ou até mais longe: “O que seria do mundo sem a mulher?” Basta um breve olhar ao longo da história e veremos grandes mulheres que com sua força (uma força tão sublime que se confunde com delicadeza) atraíram os olhos do mundo em suas lutas pelo bem comum. Lembro-me de quando eu tinha uns 8 anos de idade e vi uma reportagem em que um portão caiu sob uma criança. A mãe da criança, ao ver a cena, correu, levantou o portão, segurou o portão com uma mão e com a outra mão tirou a criança e a salvou.

Na mesma reportagem um vizinho disse: “Quando esse portão chegou, foram necessários seis homens pra carregar esse portão…” Sim, a mulher é realmente sublime…

Se olharmos ao nosso redor veremos mulheres que com muita força (força tão sublime que, de alguma forma, se confunde com delicadeza) tem por seus ideais e muitas vezes lutado para promover o bem comum.

Assim resolvi falar com uma designer, uma tradutora, uma fotógrafa, uma ilustradora e perguntei pra elas:
“O que te inspira em sua profissão e de que forma você entende que sua profissão contribui para o bem comum?”
Eis o que elas disseram:

Caroline Albuquerque – Designer: A satisfação pessoal é o que me inspira, poder encarar a minha profissão como uma paixão e não apenas como um ‘’trabalho’’, poder ter orgulho de me sentir capaz em realizar, e ter a convicção de que irei conquistar novos horizontes através dos meus conhecimentos.
Posso dizer que tornar a comunicação mais agradável e acessível, facilitando o entendimento, principalmente visual entre as pessoas é o bem comum que a minha profissão pode oferecer.

Georgina Gomes – Tradutora: Imagine a possibilidade de estabelecer pontes entre culturas e povos? Parece algo grandioso, certo? E é assim que vejo o trabalho de um tradutor. Por mais simples que possa soar o trabalho muitas vezes solitário de transformar o idioma estranho à maioria das pessoas em algo familiar e compreensível é simplesmente gratificante! Traduzir um texto ou interpretar a fala de alguém permite que você transponha fronteiras de forma rápida, somos inseridos em uma nova cultura e a estrutura do seu pensamento se adapta à língua em questão. Como disse inicialmente traduzir é construir pontes entre povos e culturas.

Cheila Wiggers – Fotógrafa e Ilustradora: Bom, o que eu mais gosto na minha profissão é poder com a mesma ferramenta mostrar a beleza seja de uma paisagem, através da imagem de um abraço ou sorriso e denunciar o abandono ou o descaso com a violência, pobreza entre outras causas. Ser fotógrafa me permite fazer isso com o meu olhar, com os meus sentimentos, quando fotografo estou criando, fazendo arte e me sinto mais próxima de Deus.

Josiele Salgado – Fotógrafa – autora da foto que ilustra esse post: O amor pela arte tem sido minha inspiração e o desejo de revelar o belo já existente no mundo minha motivação. Acredito que através da fotografia consigo captar essa beleza e mostrá-la ao outro, trazendo assim a valorização e apreciação do belo!

Diante da grandeza das palavras dessas mulheres, nem vou continuar escrevendo esse post pra não correr o risco de estraga-lo…
Feliz dia Vida Internacional das Mulheres…

Clique aqui para comentar ( )