Design

Como solicitar um orçamento para impressão offset?

Estudamos Design de Comunicação durante 3, 4 ou 5 anos. Estudamos na melhor universidade nacional ou até internacional. Somos os melhores da turma com média de 19 valores. Ganhamos vários concursos…prémios, menções honrosas e temos como professores os mais “XPTO” do universo, com 2 Doutoramentos e 5 pós-graduações… Acabamos o curso de “peito inchado” e devido ao nosso percurso super interessante arranjamos rapidamente emprego. O MUNDO É NOSSO!

E é nesse momento da nossa vida, quando iniciamos o percurso profissional, que percebemos que afinal não sabemos quase nada sobre a profissão de designer! Aliás, é aí que entendemos que afinal não é bem como nos transmitiam teoricamente na universidade. Esta poderá não ser a sua história, mas acredite que é a história de muitos alunos recém chegados ao mercado profissional.

Há milhares de universidades e escolas profissionais que estão desfasadas da realidade. Isto porque existem também muitos professores que têm doutoramentos e mestrados, mas não estão presentes regularmente no mercado de trabalho, ensinam “design teórico” e pouco ou nada sabem sobre “design prático” EXPERIÊNCIA é fundamental e o ideal é lidar com os dois termos. É necessário conhecer os processos, sentir o cheiro da tinta, saber que os papéis necessitam de tempo de secagem diferentes, e se esse tempo não for cumprido…podem haver truques para não estragar o trabalho quando vai ao corte! Se a cor preta não sair suficientemente escura, devemos de misturar uma percentagem de “blue” que pode sempre ajudar…etc

Cabe também aos alunos alertarem os professores e as universidades para essas falhas. As universidades querem estar à frente das tecnologias, incluir nos seus programas, web, UX, social media, realidade aumentada…etc (o que não é errado) mas não se podem esquecer de disciplinas e matérias simples, básicas e cruciais como por exemplo técnicas de produção gráficas, lettering ou até infografia!

Quantos de nós acabámos uma licenciatura em Design sem nunca ter mandado produzir um trabalho em offset, serigrafia ou tampografia? Quantos terminamos uma licenciatura em design de comunicação sem nunca ter feito a arte-final de um cartão pessoal?

Imagine um chefe de cozinha que leu todos os livros sobre gastronomia, não pode terminar um curso de cozinha sem nunca ter cozido um ovo! É aí que está um dos maiores lapsos cometidos por quem articula os programas nas faculdades. E depois cá está o nosso Blog para culmatar essas falhas de percurso!

Então vamos começar pelo mais simples, quais as características que deve de abordar na solicitação de um orçamento para impressão Offset de um monoplano?

1- Título do trabalho

1- Título do trabalho

1- Título do trabalho e descrição do mesmo – Explicar se o trabalho é um cartão pessoal, um flyer, um díptico, um tríptico, convite, um cartaz, um separador de livros, um papel de carta…

2- Número de exemplares ou tiragem.

2- Número de exemplares ou tiragem.

2Número de exemplares ou tiragem – Aqui peça preço para 3 ou 4 quantidades diferentes (ex: 1.000/3.000/5.000 e 10.000). Caso seja uma quantidade muito grande, refira se a entrega dos exemplares tem de ser feita total ou se poderá ser feita parcelar, pode ajudar à logística do transporte.

3- Formato

3- Formato

3- Formato – (medida do trabalho final) – O formato deve de ser dado em milímetros com o tamanho do formato aberto, e a título informativo também pode ser acompanhado das medidas do formato fechado. O formato pode ser descrito também como A3, A4, A5… Caso queira optimizar os custos, pergunte à gráfica qual a medida mais próxima da que você pretende, de maneira a que se possa fazer um maior aproveitamento de papel. Ou diga apenas que aceita sugestões de medidas de maneira a optimizar o plano de impressão para que haja o mínimo de desperdício possível.

3- Formato especial

3- Formato especial

Caso o seu projeto tenha um formato complexo/especial, refira que a forma se insere dentro de um quadrado ou rectangulo com as seguintes dimensões (x e y) o acabamento em cortante especial encarece o orçamento.

4- Tipos de papel

4- Tipos de papel

4- Típo de papel – Existem vários tipos de papel, mas podemos agrupá-los em três categorias, os revestidos, os não revestidos e os reciclados. O papel pode ser liso ou texturado, com brilho, meio brilho ou mate, opaco ou pouco opaco, branco ou com cor…é um mundo! Peça várias amostras a fornecedores e utilizar a referência para solicitar na gráfica qual o papel a imprimir, caso a sua gráfica não tenha peça um semelhante. O tipo de papel pode influenciar muito o preço de produção do trabalho, e cada papel tem a sua própria maneira de absorção da tinta. Papeis com brilho e sem brilho impressos com a mesma tinta, têm aspectos finais completamente diferentes!

5- Gramagens

5- Gramagens

5- Gramagem de papel – Existem várias gramagens para cada tipo de papel, (50gr, 120gr, 300gr…) adapte bem a escolha do papel ao projeto em questão. A gramagem do papel poderá influenciar muito no preço final do projeto, e nem todos as gramagens se adequam bem às dobras, aos cortes especiais e às resistências funcionais.


6- Cores
– Refira se o trabalho é em cores CMYK, PANTONE e se há tintas especiais como metálicos ou fluorescentes.

6- Cores

6- Cores

3/0 significa 3 cores na frente e sem impressão no verso do plano.

6- Cores

6- Cores

4/4 significa quatro cores na frente + quatro cores no verso do plano.

6- Cores

6- Cores

4+1/4 significa cinco cores na frente em CMYK + 1 em Pantone / e quatro cores no verso do plano.
O trabalho pode ser só impresso num dos lados a CMYK e no outro a pantone. Pantone são cores directas que não deixam margem para erros, uma vez que estão estandardizadas com uma referência.

7- Acabamentos

7- Acabamentos

7- Acabamento – Existem vários tipos de acabamentos, caso não tenha ideia do resultado final, peça uma prova à sua gráfica:
-corte especial ou simples do plano
-verniz de máquina com ou sem brilho no total do plano.
-pre-vincagem (optimiza a dobra permitindo que a tinta não estale na dobragem) e dobra.
-verniz uv localizado ou outro especial.
-picote (utilizado em destacáveis).
-ponto de arame (agrafo).
-furo ou vasamento.
-plastificação mate ou brilho.
-colagem e/ou cozedura.
-argolas metálicas ou plástico.
-cunho ou relevo
-estampagem a quente
-estampagem a frio

Espero ter sido explícito e ter ajudado nesta matéria, fiquem atentos aos seguintes posts porque vou abordar matérias muito técnicas de produção gráfica. Caso tenham alguma dúvida ou necessitem de algum esclarecimento não hesitem em me contactar.

Muito obrigado

Clique aqui para comentar ( )