Inspirações

Construindo sua marca pessoal

Olá, leitores.

Hoje um post bastante profundo e um pouco longo. Praticamente um relato pessoal. Então peço licença para expor aqui um pouco desta experiência que, espero, seja de bastante valia para quem está lendo.

Desde que comecei a ter esse espaço aqui no Design Culture, há quase um ano, sabia que teria uma responsabilidade imensa de agradar os leitores, proporcionando conteúdo útil, relevante, atual e principalmente, junto dos outros colunistas, incorporando o blog na cultura das pessoas.

Já há algum tempo, depois que me formei e tentando me descobrir mais profundamente e objetivamente no mundo do design, estou lendo muito sobre Identidade Pessoal e todos as delicadezas do tema. É quase que como projetar qualquer outra identidade, só que para consumo próprio. Então, no post de hoje, que demorou a ser pensado e planejado, trago trechos de um livro que estou quase terminado de ler e que, com certeza vai ajudar vocês a entenderem e buscarem dentro de cada um o propósito da sua marca e externar isto de maneira vencedora.

Personal Branding – Construindo sua marca Pessoal.

É um livro de 2009, escrito pelo publicitário Arthur Bender. No meio do ano passado tive acesso a ele, por empréstimo. Eu demoro um pouco a ler determinados livros, principalmente os que exigem um pouco mais de atenção pela riqueza do aprendizado que sei que terei com ele.

O livro propõe uma grande e bela discussão sobre a criação da marca pessoal de cada um. Mostrando que é possível a qualquer pessoa criar e fortalecer a sua marca pessoal, tornando-se diferenciado na sua comunidade e/ou no mercado de trabalho.

Obviamente que não relatarei todo o livro, e nem poderia. Apenas abordarei alguns tópicos que já nos ajudarão a definir nossa personalidade, nossa identidade e nossa imagem de marca.

___

Conhecimento pessoal e percepção da marca.

Por mim, este capítulo já vale o livro. Se tivermos a capacidade de nos conhecermos de verdade, podemos dizer que meio caminho já foi percorrido.

“Sua autoavaliação, na prática”

Devemos traçar duas visões distintas da nossa marca:

A primeira é a interna, que é a nossa identidade de marca. Nela, temos o conceito que traçamos para uma marca, um DNA planejado. Aquilo que queremos passar para o mercado (nossos valores e atributos).

A segunda é a externa, é a nossa imagem de marca, que é pura percepção. É a maneira de como somos percebidos pela audiência (nosso mercado).

Nesta avaliação é importante saber como os outros percebem nossa imagem de marca, pois é ela quem determinará nosso valor no mercado e afetará consideravelmente a nossa reputação.

___

Pensador-725x483

“A primeira parte: Identidade de marca. Nosso DNA de marca pessoal”

A partir de um processo de perguntas e encontrar respostas, pode-se construir essa identidade. A partir daí, nasce um planejamento estratégico.

Pergunta 1: O que lhe dá muito prazer? Uma reflexão profunda sobre aquilo que lhe dá muito prazer. Para descobrir, pense em quel foi a última coisa em que seu trabalho estava tão bom que você não viu as horas passarem: aquilo o absorveu de tal forma que nada mais importava. (…) Pare e pense bastante até descobrir: qual a atividade que, se você fizesse todos os dias, seria um grande prazer? E você faria ela só por prazer? O que você realmente gosta de fazer e que parece uma grande brincadeira.

Esta é a investigação interna. Resgate da memória algumas passagens da dua vida. Mergulhe em si e em toda a sua trajetória profissional. Anote tudo.

Pergunta 2: Como você gosta de trabalhar? Em diversos projetos simultaneamente? Uma coisa de cada vez? Em equipe? Sozinhos? No escritório? Em casa sendo remunerados por desafio e não por mês? Siga anotando.

Pergunta 3: De que forma? Como você reage às situações do seu cotidiano de trabalho? Gosta de pressão porque faz você raciocinar mais rápido? (…) De que maneira conseguiu realizar aquele projeto que tanto te dá orgulho? Na pressão? Ou com tempo de sobra para fazer tudo perfeitamente? Anotou?

Pergunta 4: Por quê? Por que você trabalha nesta área? Somente por dinheiro? Só por isso? No início da carreira, costumamos pensar que o mais importante é o dinheiro. Mas os anos passam e esses valores mudam. Com o tempo, um local onde possamos continuar aprendendo e crescendo profissional e pessoalmente, começam a fazer parte dos valores que buscamos. (…) O que você faz está realmente de acordo com os seus valores pessoais? Faça uma lista dos valores de que você não abriria mão de maneira alguma, por maior que fosse o salário. Anote os valores que nortearão sua marca. Eles serão o filtro para as suas tomadas de decisões.

Pergunta 5: Qual a sua situação atual? Descreva em 10 linhas no máximo como você se sente em relação ao que faz na vida pessoal e profissional. O que lhe dá prazer e o que lhe deixa desanimado. Pense na empresa em que trabalha ou na sua rotina diária tomando por base os seus valores pessoais. Reflita sobre a sua satisfação ou insatisfação.

“Reflexões”

Agora, pense em médio à longo prazo. Isto é realmente o que você quer até o fim da sua vida? Isto faz sentido pra você? Quem faz o que ama, aumenta consideravelmente as chances de ser bem-sucedido na carreira e de construir uma marca pessoal com maior valor.

Veja-se sempre como uma empresa. Analise seus pontos forte e fracos com base na sua trajetória até aqui. Faça algumas perguntas que serão vitais para você estabelecer seu DNA de marca. Estabeleça duas grandes colunas para serem preenchidas: a dos pontos fortes e a dos pontos fracos.

Faça uma coluna de ativos: Liste isto analisando toda a sua trajetória até aqui. Estabeleça uma linha de tempo e assinale os pontos em que sua carreira deu saltos positivos. (…) Que habilidades estiveram envolvidas nestes saltos? Foi aquele projeto que deu certo e lhe valeu uma promoção? Uma apresentação pública que tornou sua marca pessoal conhecida fora da empresa? Enfim. Pense, reflita, responda e anote na coluna de forças.

Faça uma coluna de passivos: Na mesma linha do tempo, assinale quedas, retrocessos, rupturas, crises, etc. Analise o porquê dessas quedas e sua participação em cada uma e que fragilidades suas foram responsáveis por esses momentos. Foi quando perdeu a cabeça no meio de uma reunião? Foi quando você perdeu um cliente?

___

Lupa-300x225

“A segunda parte: Imagem de marca. DNA de marca percebido”

A parte mais dificil e crucial para quem está planejando sua marca. (…) Se não for feita, corre o risco de ficar somente com a sua lógica, não perceber as distorções da sua marca e insistir nos erros do passado.

1. Descubra sua rede de relacionamentos mais próxima. Liste 30 nomes de pessoas e profissionais que o conhecem bem, que o conhecem e conheceram o seu trabalho e de pessoas que você considera do seu círculo mais íntimo. Desta lista, prepare três outras e as divida em: profissionais do círculo primário, do círculo secundário e de pessoas muito próximas de você.

Os profissionais do círculo primário: Pelo menos 10 nomes com contato direto com sua marca pessoal. As pessoas do seu local de trabalho (sócios, chefes, subordinados, etc). O importante é você sentir nelas uma visão sincera e transparente da sua marca.

Os profissionais do círculo secundário: Até 10 nomes de profissionais que já mantivaram contato com você neste ano ou no máximo nos últimos dois anos, mas que não mantém relação profissional direta com você atualmente. Ex-chefes, ex-clientes, fornecedores distantes, etc.

Os profissionais do círculo pessoal: Desde pessoas da família até profissionais com que você convive o tempo todo na empresa e que absorvem seus sinais, manias, gostos, etc. Pode constar seu sócio, sua, secretária, seus diretores mais próximos, etc.

2. Prepare sua avaliação. Peça que todas essas pessoas dispensem alguns minutos a responder algumas coisas sobre você. Lembre-as que é muito importante para determinar a rota da sua marca e que afetará diretamente na sua carreira. E não coloque apenas pessoas “favoráveis” à você, pois isso pode gerar uma imagem parcial ou talvez enganosa. Peça que elas sejam sinceras.

3. O questinário. Hora de o entrevistado fazer associações entre você e uma série de coisas, situações, objetos, marcas, etc. E as respostas tem que ser abertas e o mais abrangentes possíveis.

Se você fosse um animal? Qual seria? Um cachorro feroz ou um cãozinho de madame? Uma marca de carro? Qual? Um carro robusto ou um popular? Um bairro da sua cidade? Um restaurante? Uma bebida? Um perfume? Depois, peça à pessoa que liste cinco adjetivos que definam sua marca pessoal (positivos e negativos). Somente cinco, para descrever como ela o percebe. Depois, peça que crie uma frase ou um parágrafo de três a quatro linhas, descrevendo você para outra pessoa que não o conheça (uma apresentação).

4. Sua avaliação de marca pessoal. Talvez você surpreenda-se com as respostas que vai encontrar. Essa técnica permite que as pessoas façam associações livres e isto proporcionará importantes respostas para a sua imagem no mercado. (…) O importante é refletir sobre oss significados e os conjuntos de associações. (…) Se você não gostar das respostas, procure rever seus sinais, pois nas respostas estão as percepções das pessoas.

5. Agora compare as respostas das pessoas com as que você relacionou para si. Compare os adjetivos da sua coluna de ativos com os atributos positivos que descrevem suas imagens. Compare também a lista de passivos com os atributos negativos percebidos pelos seus entrevistados. (…) Não economize tempo. Analise cada aspecto.

___

Logicamente que isto é um resumo, mas busquei ilustrar o objetivo do autor. Espero que você tenha chegado até aqui. Sei que foi bastante denso e complicado analisar, refletir e se questionar tanto. Mas o que eu pretendia era justamente isto: despertar os primeiros passos para conhecer a Marca Pessoal de cada um. É nisso que acredito e é isso que quero. Que cada um possa não apenas ocupar um cargo, mas ser uma marca antes de tudo.

Na próxima semana, trarei a continuação deste exercício: A estratégia para a nossa marca pessoal.

Um abraço e muito obrigado pela atenção.

Referência:

Personal Branding – Construindo Sua Marca Pessoal. Bender, Arthur. Editora Integrare

http://www.designculture.com.br/um-processo-criativo-para-2014/

http://www.catho.com.br/carreira-sucesso/noticias/voce-conhece-o-potencial-da-sua-marca-pessoal

http://www.slideshare.net/anasantiago/8-ferramentas-para-projetar-a-marca-pessoal

Clique aqui para comentar ( )