Inspirações

Identidade Visual – Criação em Flat ou 3D ?

Olá a todos, cá estou eu mais uma vez a tentar contribuir para o vosso sucesso em projectos futuros de criação de identidade corporativa. Hoje trago-vos algumas dicas que devem de ter em mente quando criam uma identidade visual.

Muitos alunos e profissionais costumam cometer alguns erros que podem ser fatais para o sucesso e reprodução gráfica fiel de uma identidade…

A pergunta é: Quando desenvolvo uma identidade, devo optar por um resultado final em FLAT (plano) ou 3D?

Como já escrevi anteriormente, uma identidade pode ser representada sobre a forma de um Isotipo, Logotipo, Imagotipo ou Isologo. Qualquer uma destas opções é válida para identificarmos uma marca/serviço ou produto. Aqui na Napron.Love, temos uma metodologia já revelada num artigo anterior (10 fases para a criação de uma identidade corporativa) que vos poderá ajudar a entender melhor o artigo de hoje.

Quando desenvolvo uma identidade devo ter atenção a vários aspectos…

a
a) Força das formas/lettering
A identidade terá de ter força visual, nunca opte por linhas, lettering ou traços ultrafinos, confusos ou complexos. Não se esqueça que a aplicação poderá ir além da impressão no papel. Há empresas que necessitam de ter um carimbo, um bordado, uma caneta com a identidade, um porta-chaves…etc… A empresa “hoje” poderá não necessitar, mas no futuro poderá acrescentar novas peças de comunicação ao seu espólio e nessa altura irá entender que a identidade não foi pensada correctamente. Caso a identidade seja frágil, a sua redução mínima terá de estar protegida e contemplada no manual de normas gráficas. Por vezes a identidade resulta em impressão e não resulta na aplicação digital (site/app/mailing) ou vice versa. Nunca termine um projecto sem imprimir e testar as reduções da identidade.

b
b) Estilo – Fotográfico ou Ilustrado
Opte sempre por icons fortes em vez de desenhos ilustrados pormenorizadamente/realistas, ou imagens fotográficas. A identidade de uma empresa não deverá de ser uma imagem fotográfica, isto por vários motivos. Uma identidade que seja uma fotografia a cores tem sempre de ser impressa a 4 cores no mínimo, e isso pode encarecer os orçamentos de produção. Uma imagem que só funcione a cores pode ser um problema, e nunca feche o documento em JPG, pois no futuro poderá necessitar de aumentar a identidade e poderá ficar pixelizada…e perder qualidade. Tenha também atenção à pormenorização do icon, por vezes quando reduzido torna-se imperceptível e acaba por se transformar em ruído visual.

c
c) Complexidade semântica e morfológica.
Não coloque símbolos com a intenção de conter mais de 2 ou 3 significados. A identidade não deve de ser complexa, deve de ser simples, objectiva e directa. Não abuse das brincadeiras nos símbolos e/ou lettering. Opte pela funcionalidade. Não misture símbolos com estilos completamente diferentes…uniformidade gráfica é muito importante.

d
d) Trocar Símbolos por Letras
Algumas letras podem ser trocadas por símbolos, aqui é o bom senso e a legibilidade que prevalece. Faça testes de leitura, mas atenção…nem todas as pessoas interpretam as formas da mesma maneira. A idade, a cultura, a religião, o tempo de leitura, as aptidões e a experiência de vida podem ditar a interpretação de cada um, lembre-se sempre desta premissa. Idália ou Cidália?

e
e) Flat ou 3D?
– A identidade deve em primeiro lugar funcionar sobre a forma FLAT, (plana) e apenas a uma cor. Se a identidade funcionar a 1 cor (preto no branco) a nível de força e significado então irá sempre funcionar também com cores. Este é um passo importante para que a identidade seja aplicada de uma forma mais económica e funcional futuramente. Só depois da identidade funcionar em FLAT podemos então criar uma assinatura em 3D realista e indicar no manual de normas quando aplicar o 3D ou o Flat. A forma 3D realista em impressão digital ou em ecrã não é problemática mas quando impressa em offset torna-se obviamente mais cara uma vez que necessita de ter várias cores para assim compor o conjunto. Outro dos problemas é aplicação num carimbo, num bordado, em impressão serigráfica ou no envio de um fax…etc. Desta forma também não deverá de utilizar efeitos, filtros ou outro tipo de aplicações gráficas que poderão trazer complicações futuras na reprodução da identidade.

Caso tenha alguma dúvida não hesite em contactar-me.

Lembre-se também que o vectorial na construção de uma identidade é preferível em relação ao bitmap, por razões obvias.

Obrigado e até para a semana

Clique aqui para comentar ( )