Design

O mercado de Design de Interiores: quem pode atuar?

Que o Design é uma área complexa e vasta, isso nós já sabemos. Essa multiplicidade chega a deixar dúvidas entre os próprios estudantes e profissionais, que por vezes titubeiam sobre onde e como podem atuar segundo sua formação. Essa semana, uma de nossas leitoras nos enviou uma pergunta bastante interessante e que vale a pena esclarecer para todos. A pergunta em questão é:

“Um designer pode atuar na área de decoração com apenas o curso superior de Design?”

Atualmente, inúmeros cursos de Design de Interiores/Ambientes de nível superior, técnico e tecnólogo são oferecidos no Brasil e reconhecidos pelo MEC, e por mais que sejam requisitados para trabalhar na área apenas profissionais com esta formação específica, não há proibição quanto à atuação de profissionais com formações diferentes. Em geral, o que se vê no mercado são arquitetos, designers, engenheiros e artistas que, apesar da falta de uma graduação em Interiores no currículo, conquistam mercado por já possuírem certa experiência em ambientação.

Então, por enquanto, a resposta que temos à pergunta da nossa leitora é: não há problema nenhum em atuar como designer de interiores tendo apenas a graduação em design. Porém, é bom ressaltar que na graduação em Interiores a abordagem do tema é feita de forma mais aprofundada e direcionada, enquanto que em Design e menos ainda em outras áreas afins o conhecimento teórico é apenas superficial – o que significa desvantagem tanto para o profissional quanto para o cliente. O ideal é que, sendo designer mas tendo afinidade por ambientação, se busque pelo menos uma especialização.

Para organizar e reconhecer o exercício da profissão no Brasil, uma regulamentação está em processo de aprovação. Neste projeto de lei, conforme apresentado em matéria do site da Câmara dos Deputados, estão descritos como requisitos necessários ao exercício da profissão de designer de Interiores o diploma de “bacharelado em designer de interiores, composição de interiores, design de ambientes e tecnólogos em design de interiores expedidos por instituição brasileira de ensino superior oficialmente reconhecida; de bacharelado em outros cursos superiores de áreas afins, como arquitetura, desenho industrial e artes plásticas, desde que esses profissionais venham exercendo, comprovada e ininterruptamente, as atividades de designer de interiores por, pelo menos, dois anos; e de técnico em decoração ou designer de interiores”.

Segundo notícias no site da ABD, a Associação Brasileira de Designers de Interiores, em 27 de novembro de 2013 foi aprovada a proposta que regulamenta as atividades de trabalho do setor; apenas uma das etapas do longo caminho que ainda se tem pela frente e que pode ser acompanhado pelo site da Câmara dos Deputados (PL 4692/2012).

Quer mais informações sobre este assunto? Acompanhe os links apresentados nesta matéria e também no blog do designer de Interiores Paulo Oliveira.

Escrito por Mariany Carvalho

Clique aqui para comentar ( )