Artes

Palavras como intervenções urbanas: as vozes da multidão em #asruasfalam e TOSAY.IT

Você já deve ter se deparado pelas ruas com intervenções como essas: posters apenas com textos, colados em locais públicos e carregados de mensagens que fazem pensar.

Popularizado aqui no Brasil nos últimos anos pelo projeto #asruasfalam – antes um lugar que reunía mensagens de desabafos/inspirações/alegrias/tristezas espalhadas nas ruas, hoje já um movimento –  esse tipo de intervenção urbana não pede letra bonita nem a paleta de cor perfeita.

kraftfolio-dstq

Há 10 anos, o artista russo Egor Kraft, responsável pela famosa intervenção acima, ao postar na internet seus trabalhos corajosos de rua, começou a receber emails de pessoas ao redor do mundo interessadas em fazer o mesmo.

Kraft notou que todos tinham vozes e mensagens a serem passadas, e que a rua podia ser o meio ideal para se expressar e ser ouvido. Pensado nisso, o artista criou o TOSAY.IT, uma comunidade onde as pessoas podem expor os posters que colaram pelas ruas.

O site – assim como a hashtag #asruasfalam – funciona como um meio para estimular qualquer um a deixar suas palavras por aí, explorando texto, ruas e internet a fim de refletirem ideias incômodas que geralmente são ignoradas. Abaixo, algumas das intervenções da comunidade.

kraftfolio-1 kraftfolio-2 kraftfolio-3 kraftfolio-4 kraftfolio-5 kraftfolio-6 kraftfolio-7 kraftfolio-8 kraftfolio-9 kraftfolio-10

Em direção oposta ao fluxo robotizado que nos mantém em movimento todo dia, este tipo de intervenção vai de encontro ao caminhar contemplativo que caracterizou a figura do flâneur, descrito por Baudelaire e Walter Benjamin no século 19, a reimaginar o espaço, encontrando pontos inesperados e justaposições criadas pela experiência de mergulhar no entorno, à deriva. Um observador que pensa e reflete as circunstâncias, um amante do povo e das suas vozes.

São mensagens que amarram a cidade, seja na multidão que se atropela em cada cruzamento ou no cinza que ganha vida quando vulnerável aos traços ora simples ora coloridos, derramados pelos cantos sem conhecer forma, limites e pontuação.

Fontes: Kraftfolio e InspirationPage

Clique aqui para comentar ( )