Design

Por um Design inclusivo. Se liga ao redor!

Você se acha a última bolacha do pacote? Se liga ao redor! Já pensou que, segundo, Mario Sergio Cortella “tu és um indivíduo entre outros 6 bilhões e 400 milhões de indivíduos, compondo uma espécie entre outras 3 bilhões de espécies já classificadas, que vive em um planetinha que gira em torno de uma estrelinha, que uma entre outras 100 bilhões de estrelas, compondo uma única galáxia entre outras 200 bilhões de galáxias em um dos universos possíveis” ? Pois é, e ainda tem gente que só olha para si.

O design inclusivo não pode ser um dos assuntos chatos e que no final tem sempre alguém que diz: mas vou ganhar dinheiro com isso? Ora bolas, se o Brasil, segundo o IBGE tem aproximadamente 46 milhões de deficientes, o que dizer? Fora esses, o design inclusivo abrange pessoas com sobrepreso, subpeso, anões, idosos, bebês e todos aqueles que precisam de produtos com forma, função e estética adequados à suas NECESSIDADES e DESEJOS.

Manequins deficientes físicos

Em relação ao produto da moda, acha que projetar um produto de moda é fazer um “desenhosinho” que escapará do papel e se transformará magicamente em um peça 3D? Acha que produto de moda deve ser como uma receita imutável direcionado à pessoas lindas, altas, que vestem 38, que se locomovem perfeitamente? Complexo esse pensar, ou melhor, a falta dele.

O assunto no Brasil ainda engatinha, tocado por alguns projetos e concursos como o “Moda Inclusiva” do Governo do Estado de São Paulo. Nesses buscam elucidar o tema de maneira a direcionar o design inclusivo, não para produtos de moda que cumprem apenas uma função, mas sim produtos de design que são pensados à partir de uma estética, também. 

Afinal, você sabia que à depender da composição da linha que se costura uma roupa de cadeirante, pode-se resultar em feridas abertas que levam o mesmo à óbito, por conta de fricção dessa linha com a pele e que o cadeirante muitas vezes não sente? Sabia que a cabeça de um neném é maior de que a maioria das golas das roupas que são produzidas para eles, por aí? Você sabia que ter idade avançada não é sinônimo de ser brega?

Se não sabia fique sabendo e acompanhe os próximos posts à respeito de moda inclusiva que irá apresentar produtos e pessoas que estão no mercado realizando de fato um Design Inclusivo!

Vamos trocar uma ideia?!

 

 

 

Clique aqui para comentar ( )