pequenos-cientistas
Inspirações

Programação também é coisa de criança

Confesso que já quis programar antes de me formar em publicidade, mas, porém, contudo, no entanto, percebi que não era o que eu queria fazer da vida como profissão. Recentemente comecei a pensar no que teria ocorrido de diferente na minha vida se… tipo assim: “se eu tivesse feito isso…”, “se eu tivesse olhado aquilo…”, e por fim relembrei minha jornada profissional e educacional. Ao final fiquei meio chateado. Desde que eu era pequeno nunca tive contato com coisas diferentes na escola, tudo aconteceu de um jeito “normal” e foi aí que eu me indaguei: “Nossa! Se eu tivesse como voltar e reviver tudo de um jeito diferente, gostaria de ser um Steve Jobs da minha escola”. Não, não é ser igualzinho ao Jobs e inventar um aparelho milionário, o que não seria ruim, mas a ideia é voltar e aprender física, química, geografia, essas matérias que nunca foram meu forte, de um jeito diferente, inovador.

Acontece que recentemente me deparei com um projeto muito legal, se trata de uma escola para crianças aprenderem sobre o mundo da programação através da gamificação, dentro de uma didática bem legal e diferente. O projeto se chama Pequenos Cientistas.

Segundo um dos professores do projeto, Marcelo Brenner, a escola Pequenos Cientistas tem como objetivo criar nas crianças e adolescente o interesse em se tornarem ativos frente as novas tecnologias. É um curso extremamente atual que vai muito além dos conceitos abordados em uma sala de aula convencional.

Onde eu quero chegar com este exemplo? Simples. Falar para você que eu acredito que modificar o esquema de ensino das escolas no Brasil é o primeiro passo para um país melhor. O velho sistema de educação já não impacta e acaba por afugentar muita gente das salas de aula. É preciso inovar, transformar e rever a forma de educar aqui em solo tupiniquim.

Há poucos dias vi uma youtuber, a Jout Jout, falando sobre a Escola da Ponte, e meus amigos, que coisa incrível. A Escola da Ponte não tem uma aula convencional, ela coloca os alunos para interagir, aprender por si e nas dúvidas mais complexas chamar o professor, eles também dispõem as crianças para praticar as aulas e não apenas teorizar elas.

Remodelar um sistema de educação antigo impacta na sociedade, impacta na sua profissão e em como será  o mercado para futuros designers, publicitários, arquitetos, engenheiros, médicos e por aí vai. Já pensou se introduzíssemos aulas de empreendedorismo, design, programação, dentre outros, em escolas públicas e privadas?

Começo 2016 com a mentalidade de que se colocarmos nossas crianças para aprender de modo diferente, com mais didática, vamos mudar a perspectiva de mundo.

Eu acredito na educação, e sobre sermos uma pátria educadora, tem muita coisa por acontecer para chegar lá, e sim, é possível chegar.

E a vocês, meus queridos, desejo um 2016 repleto de alegrias e vitórias, estudem bastante e corram atrás das oportunidades. Meu foco este ano é falar mais sobre empreendedorismo e afins, inspirando e ajudando vocês, e claro, a mim também.

Abração, família DC.

;)

Clique aqui para comentar ( )