Artes

Psicologia das Cores – Parte 01: Como surgiu?

retirado de: https://unsplash.com/photos/nmdv1H6l_2w

Bom pessoal, hoje começarei a falar sobre Psicologia das Cores. O material que colocarei será dividido em 3 partes, vamos começar com uma introdução à psicologia das cores contando como surgiu o estudo e um pouquinho antes disso; depois vamos para a parte 2 abordando como a cor afeta o seu cérebro em assuntos que já estamos acostumados e, além disso, fazer uma aplicação desses aspectos na criação de marcas e campanhas; na parte final vamos ver a aplicação das cores em outros países, uma vez que a nossa cultura interfere na nossa maneira de pensar, também é crucial utilizar cores que correspondam com a percepção de cada cultura.

Dando início a primeira parte da matéria, começamos falando da utilização da cor:

Utilizamos a cor desde os tempos pré-históricos quando eram feitas as pinturas rupestres em cavernas, mas esse foi apenas o primeiro ciclo da utilização de cor que podemos citar. Em seguida temos as pinturas do Egito antigo que usavam de cores vivas para ressaltar a grandeza de seus faraós ao mesmo tempo que eram utilizadas cores padrão como o preto do carvão para representar a morte. Desde então a cada novo ciclo pelo qual a humanidade passa a utilização da cor muda, um exemplo simples são as cores que estão na moda que podemos ver no livro de cores e tendências vendidos pela Pantone que diz quais serão as próximas cores de sucesso no mercado, no exemplar de cores de Primavera/Verão 2016 eles apostam em cores frescas e animadas que nos dão sensação de leveza e simplicidade.

Mas a partir de quando começamos a caracterizar as cores de forma consciente, pensando em como e onde ela se encaixa melhor?

Foi em 1672 que o físico e matemático Isaac Newton que ao utilizar o reflexo dos raios solares em um prisma polido descobriu que os feixes de luz emitidos pelo sol não são puros e sim formados por várias outras cores. Mediante a essa descoberta Newton criou o “Color Wheel”, um sistema de cores em forma de círculos que mais tarde fora modificado por Johann Wolfgang von Goethe, famoso escritor alemão que também adentrou no campo da ciência devido a sua curiosidade pela natureza ótica das pinturas renascentistas. Em suas pesquisas, Goethe foi além das ideias de Newton que viam a cor apenas como um fenômeno físico. Durante seus estudos, Goethe levou em consideração o efeito que as cores exercem sobre nosso cérebro.

imagem-issac-newton

Prisma de Cores de Isaac Newton

Em sua tese ele ainda defende que existe simetria entre as cores e que uma é complementar a outra, desta forma ele modificou o “Color Wheel” criado por Newton colocando as cores de forma que uma completasse a outra sendo opostas diametralmente. Após a descoberta de Goethe é que começaram a ser feitos estudos sobre as cores primárias, secundárias e terciárias; cores quentes e frias; cores complementares, análogas, triádicas, etc… Como também estudos voltados para o psíquico com o intuito de descobrir como as cores nos influenciam.

Color Wheel de Goethe

Color Wheel de Goethe

Para Goethe existem três métodos de se estudar a cor:

  • Por meio da fisiologia estudando a ligação entre a visão e os processos cerebrais que ela desencadeia ao entrar em contato com os diferentes tipos de cor;
  • Por meio da física envolvida no processo de percepção dos raios luminosos que geram a cor como a enxergamos;
  • E por meio da química estudando a heterogeneidade das cores.

Em suas pesquisas ele também fez a descoberta “milagrosa” que agrada todas as mulheres: “preto emagrece!”. Uma vez que em seus experimentos ele notou que objetos mais escuros quando contrastados com objetos mais claros parecem menores.

Durante seus estudos ele também acreditava que suas descobertas abririam novos horizontes para o crescimento cultural e profissional do ser humano como Arte, Filosofia, Matemática, Tingimento de tecidos, Fisiologia e Patologia, Biologia, Física e Música.

E de fato a contraposição de Goethe foi nos fez capazes de entender melhor como o cérebro humano funciona quando damos cor a algo, qual a percepção que temos de um mesmo objeto quando ele está em vermelho, azul ou verde.

Como dito no início da matéria daremos continuidade ao assunto abordando o significado das cores e fazendo a aplicação deles em marcas e peças publicitárias.

FONTES:

Livro: A Psicologia das Cores – Comos as Cores Afetam a Emoção e a Razão – Eva Heller

Livro: Psicodinâmica das Cores em Comunicação

http://pantone.com.br/VCP-SS16%20Sell%20Sheet%208-14-DIR.pdf

http://www.antroposofy.com.br/wordpress/a-teoria-das-cores-de-goethe/

http://www.shutterstock.com/pt/blog/o-espectro-do-simbolismo-o-significado-das-cores-ao-redor-do-mundo

http://blog.logovia.com.br/compartilhe/conheca-o-significado-cultural-das-cores/

http://www.sab.org.br/portal/images/Artigos/artes/teoria-das-cores-de-goethe/teoriadascores-enniopossebon.pdf

 

 

Clique aqui para comentar ( )