Artes

Psicologia das Cores – Parte 02: A percepção da cor por nosso cérebro

capa-pscicologia-das-cores-pt-2Oi pessoal, estou de volta com a segunda parte do artigo sobre psicologia das cores. Eu havia dito anteriormente que seriam 3 partes certo? Então, quando comecei a segunda parte percebi que ela iria ficar muito, mas muito extensa… Então ao invés de 3, vamos fazer 4 partes ok? No artigo de hoje vou falar inicialmente sobre um dos livros que estou utilizando para poder escrever o artigo, vamos prosseguir com os tipos de sensações que as cores causam, como percepção e sentimentos e fazer a análise de cor de algumas marcas, pois isso é muito importante dentro do conceito de criação de uma marca, além de transmitir o conceito por meio da forma que o logotipo possui é necessário utilizar de cores que também o transmitam. Entender o estudo da cor nos ajuda a utilizá-la só ou com outras para que melhor possamos transmitir a perspectiva que nossa marca quer passar.

BIBLIOGRAFIA

Prosseguindo com a Bibliografia, estou tomando como base para esta segunda parte o livro:

A Pscicologia das cores – Como as cores afetam a emoção e a razão, da autora Eva Heller. O livro é completo para todas as áreas de design, porque ele foi criado com base em estudos psicológicos e não desenvolvido especificamente para o design. Tomo ele como base para praticamente todos os trabalhos que desenvolvo, porque ele fala não somente da aplicação da cor, mas também conta sua história. “Ah, mas como assim conta a sua história?” Ele mostra como as concepções de cores se originaram, como e quando começamos a dar significado a elas. Um dos contextos mais curiosos e que me chamou mais a atenção enquanto eu lia foi um trecho que falava sobre a cor azul. Você sabia que nos tempos mais antigos a cor azul era uma cor considerada feminina? Isso por que nomes femininos se originam desta cor como Safira que é uma pedra preciosa e azul. O livro apresenta 13 capítulos cada um falando sobre 13 cores diferentes e mostrando qual o resultado das pesquisas realizadas pela autora. Se quiserem saber mais sobre o livro é só acessarem o link > http://goo.gl/44b8EJ

Então vamos começar! (YAY! o/)

Se você for ao google e pesquisar “Pscicologia das cores” e for na aba de imagens vai ser bombardeado de capas de livros, infográficos e slides share sobre o assunto. No geral vai ser um apanhado de informações com diferentes percepções de um mesmo tema. O que aprendi e o que quero passar para vocês é o seguinte, nenhum deles está totalmente certo ou totalmente errado, uma vez que a nossa percepção da cor varia de como ela está inserida. Vamos seguir a vertente de que as cores, assim como as palavras, possuem sinônimos. “Mas espera aí, sinônimos de cor?” Isso aí, sinônimos de cor. Para esse primeiro exemplo eu vou usar o amarelo.

O amarelo para nós, geralmente, representa o otimismo, a empolgação, atenção, transmite sensação de calor. Mas, ele tem um sentido ambíguo se formos analisar historicamente, também representa traição, uma vez que em pinturas Judas Iscariotes é representado usando um manto amarelo meio pálido, sujo talvez… Na idade média os acusados na no tribunal da inquisição usavam um manto amarelo, uma lei da mesma época obrigava mães solteiras, prostitutas e judeus utilizarem um manto amarelo no pescoço ou na cabeça para serem diferenciados dos demais. Contudo, enquanto isso, na China o amarelo representara a realeza, o imperialismo, é a cor da glória, da sabedoria o amarelo é o homem transformado em cor, historicamente falando. Porém, o amarelo em grande quantidade pode ser muito irritante. Geralmente é utilizado como transição para um tom mais avermelhado em animações quando o personagem está muito zangado, ou até uma irritabilidade natural, por exemplo se você pegar um retângulo amarelo e o olhar fixamente por alguns segundos a sua vista vai ficar cansada e seus olhos provavelmente ficarão doloridos.

ira

Personagem Ira do filme divertidamente da Disney Pixar

 Primeira análise: McDonalds

mc-donalds

Logo do Mc Donalds com slogan

Empresa de fast food, mundialmente conhecida. Usam o amarelo na marca deles junto do vermelho. A união das cores é para que os sentidos transmitidos de uma cor contraponham o da outra.

O vermelho desperta senso de urgência para que as pessoas saibam que é um local que serve comida rapidamente e você não tem que ficar esperando durante horas para ser atendido.

O amarelo é usado em contraponto para trazer um conceito mais positivista a marca, ou seja, fazer com que as pessoas entendam que é um ótimo lugar para comer e passar um bom tempo com a família e/ou com os amigos.

Conseguiram entender a composição? O Mc Donalds vem há anos mostrando que ele é o local ideal pra você que precisa fazer um lanche rápido, ótimo para pessoas que tem dias corriqueiros, mas também é um ótimo lugar pra sair e ficar com a família e com os amigos.

 

Segunda análise: NIKON

nikon

Empresa mundialmente conhecida por suas câmeras fotográficas e lentes, e está no mercado desde 1917. Usa as cores preto e em destaque o amarelo.

O preto é usado como cor neutra e sobre o amarelo para dar mais destaque também ao nome da marca, em minhas pesquisas e análises, apesar de identificarmos o preto como uma cor pesada, que significa morte ou tristeza, dependendo de sua aplicação ele também busca transmitir elegância.

O amarelo já usado como cor principal em um quadrado amarelo, é usado para representar a criatividade do fotografo, também como trazer um sentido de inteligência a marca. Também podemos colocar com o sentido de advertência fazendo as pessoas pensarem “você não sabe o que está perdendo se não tem uma NIKON”.

Analisando a união destas duas cores sobrepostas na marca, podemos notar o seguinte: o amarelo por ser uma cor leve e alegre contrapõe o valor negativo do preto e transforma o seu sentido.

papel-corlorido

Entenderam como o estudo da cor é importante para quando for criar uma marca? Eu falei especificamente do uso do amarelo neste artigo, mas isso serve para qualquer outra cor, verde, azul, branco, rosa, cinza… Cada cor possui uma particularidade que deve ser estudada com cuidado pelo designer, para saber se ele realmente vai atender o conceito que a marca e a empresa querem passar. Não estou dizendo pra andarem por ai com um manual de cores debaixo do braço, viu? Mas, no processo de criação da marca e depois de ter aquele briefing caprichado do cliente revise tudo antes de aplicar a cor. Porque uma aplicação errada pode levar a uma reprovação ou um desgosto. Mas, e se o meu cliente pede pra eu fazer uma marca ou logo com laranja e eu acho que não tem nada haver?

Vamos lá! O ideal é você tentar seguir com o que ele pediu, pesquise a história do laranja, porque quando for apresentar o projeto pro cliente você vai conseguir pontuar os prós e os contras e pode até usar aquela determinada cor, ou e até sugerir a utilização de dois tons ou de um outro tom que você como profissional crê que é o melhor para aquela marca.

 

Enfim, gente… Eu não vou me estender muito mais neste artigo, mas esse artigo é a base para que vocês consigam ver a importância de criar uma marca com um bom conceito, uma boa simbologia e o uso certo da cor. As vezes fazemos marcas incríveis, mas no final usamos uma cor que as vezes não condiz com o conceito ou o posicionamento daquela marca, pelo fato de as vezes irmos pelo senso como de vermelho é amor e preto é morte.

 

No próximo artigo eu vou falar sobre o uso da cor em imagens, ai já utilizarei de outros exemplos de cor, até mesmo para trazer mais alguns conceitos pra vocês.

 

Obrigado e até a próxima! o/

Clique aqui para comentar ( )