Design

Você sabe aplicar o código de barras em uma embalagem de modo correto?

Nós designers podemos dentre outras funções trabalhar com produtos, em especial, embalagens. Atuar no desenvolvimento de um produto requer uma soma de conhecimentos que passam desde técnicas em softwares, a conceitos, ergonomia e desenvolvimento do projeto visual e nesta etapa muitas vezes desejamos criar os projetos como pensamos e esboçamos, mas, nem sempre é possível.

Apesar de aparentemente simples, o código de barras é para muitos motivo de preocupação. Onde posicionar de modo a fica harmônico com o projeto visual e que seja funcional, isso é, quando a máquina for ler o código de barras não causar erro na leitura resultando em uma falha que trará desconforto ao profissional do caixa e ainda filas no estabelecimento comercial? Além disso, qual código de barras usar para qual produto, sim, existem várias possibilidades e para cada projeto de embalagem um uso de formato de código de barras diferente sem falar sobre o tamanho adequado deste código em uma determinada embalagem.

Para entendermos mais sobre este assunto e compartilhar com vocês, estivemos em São Paulo e conhecemos a GS1 Brasil, a Associação Brasileira de Automação que hoje atua em mais de 150 países e possui sedes em 112 deles que além disso, possui sistemas para dezenas de setores comerciais e tem como propósito implementar e disseminar padrões de identificação de produtos, como o código de barras, levando melhoria para as cadeias de suprimentos, colaborando, assim, para o processo de automação, em outras palavras dentre muitas outras funções, ela orienta e assessora empresas e inclusive profissionais para ter uma boa prática com o código de barras auxiliando todo processo de automação para indústrias e varejos. Na ocasião conversamos com executivos, fizemos uma visita técnica e adquirimos conhecimentos da área que trazemos neste artigo.

comecando3-revisado301014

Reprodução GS1

Neste artigo queremos apresentar o código de barras de modo simples, apresentando as dicas da GS1 para aplicação em seus projetos de embalagens e conhecendo um pouco sobre a Associação. Para começar, alguns fatores:

  • O padrão GS1 é internacional e muitas instituições de distribuição de alimentos e produtos exigem este padrão para que produtos passem a ser comercializados naquele espaço, então designer, dica: use o padrão GS1 e exija de seu cliente a associação, para além de evitar problemas futuros na distribuição do produto, você seguir as orientações internacionais de aplicação em seus projetos de embalagens e evitar trabalho desnecessário e até um redesign do produto.
  • Existem alguns tipos de códigos de barras e para cada um deles, aplicação destinada a um setor ou projeto:
    • EAN/UPC- Este código foi desenvolvido especialmente para o PDV (ponto de venda), devido à agilidade propiciada na captura da informação;
    • GS1 DataBar – É uma tendência global utilizar esse código no setor de frutas, verduras e legumes (FLV) e outros produtos perecíveis;
    •  GS1-128 -Utilizado na gestão de logística e de rastreabilidade por meio da codificação de informações adicionais como número serial, número de lote, data de validade, quantidades, número de pedido do cliente etc;
    • ITF-14 – Código de barras desenvolvido para codificar apenas GTINs, pode ser impresso diretamente em substrato corrugado (caixa de papelão) oferecendo um bom desempenho de leitura. Não pode ser utilizado para identificar itens comerciais que passarão pelo PDV;
    • GS1 DataMatrix – Principal código do segmento hospitalar, por permitir identificação de itens muito pequenos e possibilitando a sua rastreabilidade e por fim, o GS1 QR Code.
  • Devemos seguir todos os padrões para implantar o código de barras em uma embalagem, você pode conferir materiais técnicos clicando aqui, para facilitar e já dar algumas orientações e prática para o design de embalagem, conversamos com o Executivo de Negócios da GS1 Brasil Ricardo Verza e criamos uma animação com algumas boas práticas para a aplicação do código:

Conhecer o processo de automação e entender como aplicar o código de barras é uma necessidade de diversos setores, desde Design, Marketing à Engenharias, para o aluno de Engenharia da Produção da USP, Vinicius Shimada, o “conhecimento de toda a cadeia de suprimento desde o processo de produção, geração de código de barras até chegar no consumidor é de extrema importância, é algo vantajosos adquirir o conhecimento e chegar no mercado de trabalho tendo o conhecimento da rastreabilidade e aplicação do código de barras”, disse. Já para Silvio Romero Monteiro, que desenvolve projetos de embalagens, o “Designer deve saber posicionar cada informação em seu lugar específico” e para isto a importância do conhecimento da implantação do código de barras por exemplo.

9412e944-e59d-4f2e-a32c-3885127d6cd4

Vinicius Shimada, fala que a automação e os códigos de barras são importantes em todos os setores de produção

Tecnologia e muitas novidades para o futuro no CIT – Centro de Inovação e Tecnologia da GS1 Brasil

No Brasil, a GS1 possui um moderno CIT – Centro de Inovação e Tecnologia, o maior do mundo que concentra tecnologias e ferramentas modernas sobre automação em especial para leitura de códigos de barras levando a um supermercado do futuro já disponível hoje com ênfase na Internet das coisas, no ambiente é possível conhecer leitores de códigos de barras modernos, impressoras, máquinas para automações e reconhecimento de produtos. Ao visitarmos o CIT conhecemos por exemplo um sistema de radiofrequência (RFID) já disponível, no espaço é possível conhecermos etapas que variam de estocagem à experiência do consumidor de modo moderno, automatizado e muito dinâmico.

Além de todos esses sistemas a GS1 ainda disponibiliza um APP para dispositivos móveis para leitura de código de barras de produtos. Você pode efetuar o download do Inbar para Iphone, Android e Windows Phone.

Para auxilar ainda mais seu processo criativo para embalagens, a Designer e colunista do Design Culture Fabíola Alves, separou 6 super e práticas dicas sobre Design de Embalagem:

1. Seja ousado

Ser ousado é sair do convencional mesmo quando isso parece impossível ou arriscado demais. Mantenha um olhar disruptivo no processo criativo.

2. Pense na experiência do consumidor

A experiência ao manusear a embalagem conta muitos pontos, principalmente se ela for criada para suprir alguma necessidade do público. Um projeto estudantil muito bacana entendeu que para os amantes de pizza, a praticidade é rei. Vale pedir sabor meio a meio e até comer com as mãos! Então, que tal criar uma embalagem prática e divertida para ajudar todos a comer essa delicia sem dificuldade alguma?

3. Crie projetos interativos

Fazer com que o produto interaja com a embalagem é uma das grandes sacadas para se destacar. Imagine uma embalagem que foi pensada para consumidores que valorizam hábitos saudáveis mostrando no squeeze o desenho da fruta, com destaque para as cores vibrantes e formas diferentes que se relacionam com o produto.

4Use humor

Fazer coisas com humor é muito mais interessante, não é mesmo? A mesma técnica se aplica para designers ao projetar uma nova embalagem.

5Quebre paradigmas

Pense como você poderia propor uma inovação para uma marca de arroz por exemplo.

6Una propósitos

Apoiar causas para um mundo melhor é quase uma obrigação das marcas e empresas. Por isso, pensar em um projeto sustentável pode ser uma boa oportunidade.

Por fim, confira em vídeo algumas explicações de Luiz Renato Martins Costa, Executivo de educação e Ricardo Versa, Executivo de Negócios, ambos da GS1 Brasil.

 

Clique aqui para comentar ( )